Comentário editorial
O consumo da frutose e o seu impacto na saúde humana: a alimentação nos dias de hoje e o risco das doenças cardiovasculares
Fructose consumption and its impact on human health: Diet and risk of cardiovascular disease
Carla Marquesa,b,
a Universidade de Coimbra, Centro de Neurociências e Biologia Celular, Instituto Biomédico de Investigação da Luz e da Imagem, Coimbra, Portugal
b Universidade de Coimbra, Faculdade de Medicina, Instituto Biomédico de Investigação da Luz e da Imagem, Coimbra, Portugal

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 17,5 milhões de pessoas morrem todos os anos vítimas de doenças cardiovasculares (DCV), que constituem a primeira causa de morte no mundo. Um dos fatores de risco das DCV é a alimentação inadequada, que tem aumentado nos últimos anos1–5, e várias organizações, inclusive a OMS e a American Heart Association, têm recomendado uma diminuição no consumo de açúcares adicionados na dieta6, o que poderia diminuir em cerca de 20% a mortalidade por DCV até 20207,8. A relação direta que existe entre o consumo de produtos enriquecidos em açúcares e uma maior morbilidade e mortalidade cardiovascular impõe uma necessidade de definir e estabelecer estratégias preventivas que atuem no sentido de diminuir o consumo de açúcares, com especial atenção para as crianças, entre as quais esse problema poderá assumir proporções mais preocupantes.

Os açúcares incluem os monossacarídeos e dissacarídeos e dentro dos monossacarídeos mais comuns na dieta temos a frutose, a glicose e a galactose. A frutose é o açúcar que está naturalmente presente na fruta, mas também em sumos naturais ou néctares, e que é por vezes usado como adoçante, ou que pode estar adicionado a outros produtos alimentares, como refrigerantes e bolachas. O açúcar adicionado mais comum é o xarope de milho com alto conteúdo em frutose e a forma mais consumida desses açúcares são os sucos em lata. O metabolismo da frutose é diferente do dos outros açúcares e tem alguns subprodutos nocivos. Assim, a associação entre o consumo de frutose e o aparecimento de fatores de risco para desenvolvimento de doença DCV, como aumento da pressão arterial, obesidade, resistência à insulina, diabetes e síndrome metabólica, tem sido alvo de intensa investigação. Por outro lado, estudos em modelos animais mostram que uma dieta rica em frutose resulta num aumento de susceptibilidade do miocárdio à isquemia‐reperfusão9.

Vários estudos consideram que a ingestão elevada de frutose, por consequência do uso generalizado da frutose em muitos alimentos e bebidas, pode induzir a alterações do metabolismo, como o aumento de triglicerídeos, a resistência insulínica e a esteatose hepática, porém esses resultados não são conclusivos6. Nesse contexto, é imperativo investigar melhor os mecanismos e efeitos do consumo exagerado de frutose na saúde. Ramos et al.1 pretenderam avaliar qual o efeito do consumo crónico da frutose nos parâmetros bioquímicos e corporais de ratos. Os resultados obtidos mostraram que o consumo de frutose está associado à adiposidade abdominal e ao aumento dos triglicerídeos no soro dos animais. Por outro lado, o aumento do consumo de frutose associado a uma crescente incidência da obesidade na população mundial sugere que uma dieta rica em frutose pode ser um fator decisivo para o ganho de peso corporal. A obesidade e o excesso de gordura visceral são responsáveis diretos e indiretos por uma maior mortalidade cardiovascular, notadamente através de desequilíbrios no metabolismo lipídico e do aumento de peso, em grande parte devido a um aporte energético excessivo a que estão associados10. Por outro lado, a frutose não estimula a produção de insulina e leptina, responsáveis pela transmissão de informações para o sistema nervoso central. Assim, a frutose pode não induzir o nível de saciedade que é observado após uma refeição à base de glicose, pois a redução da produção de insulina e leptina pode contribuir para aumentar a ingestão de energia e o ganho de peso em animais e humanos. Por outro lado, o consumo de alimentos ricos em frutose aumenta a resistência à insulina, principal responsável pelos processos ateroembólicos que ocorrem em casos de obesidade7. Assim, torna‐se fundamental atuar precisamente nesse tipo de hábito prejudicial para a saúde. Nesse contexto, os resultados que Ramos et al. agora publicam1 parecem sugerir que o consumo de frutose leva a um aumento da gordura corporal na região abdominal e a alterações dos níveis de triglicerídeos, o que implica um aumento de risco de doenças cardiovasculares, mas não está diretamente associado ao aumento da massa corporal.

Conflitos de interesse

A autora declara não haver conflitos de interesse.

Bibliografia
1
V.W. Ramos,L.O. Batista,K.T. Albuquerque
Effects of frutose consumption on food intake and biochemical and body parameters in Wistar rats
Rev Port Cardiol., 36 (2017), pp. 937-941
2
L.R. Vartanian,M.B. Schwartz,K.D. Brownell
Effects of soft drink consumption on nutrition and health: a systematic review and meta‐analysis
Am J Public Health, 97 (2007), pp. 667-675 http://dx.doi.org/10.2105/AJPH.2005.083782
3
K.L. Stanhope
Sugar consumption, metabolic disease, and obesity: The state of the controversy
Crit Rev Clin Lab Sci, 53 (2016), pp. 52-67 http://dx.doi.org/10.3109/10408363.2015.1084990
4
G. Woodward-Lopez,J. Kao,L. Ritchie
To what extent have sweetened beverages contributed to the obesity epidemic?
Public Health Nutr, 14 (2011), pp. 499-509 http://dx.doi.org/10.1017/S1368980010002375
5
L.J. Appel,F.M. Sacks,V.J. Carey
Effects of protein, monounsaturated fat, and carbohydrate intake on blood pressure and serum lipids: results of the OmniHeart randomized trial
6
J.M. Rippe,J.L. Sievenpiper,K.A. Lê
What is the appropriate upper limit for added sugars consumption?
Nutr Rev, 75 (2017), pp. 18-36 http://dx.doi.org/10.1093/nutrit/nuw046
7
L. Mucci,F. Santilli,C. Cuccurullo
Cardiovascular risk and dietary sugar intake: is the link so sweet?
Intern Emerg Med, (2012), pp. 313-322
8
D. Aune
Soft drinks, aspartame, and the risk of cancer and cardiovascular disease
Am J Clin Nutr, 96 (2012), pp. 1249-1251 http://dx.doi.org/10.3945/ajcn.112.051417
9
P. Prakash,V. Khanna,V. Singh
Atorvastatin protects against ischemia‐reperfusion injury in fructose‐induced insulin resistant rats
Cardiovasc Drugs Ther, 25 (2011), pp. 285-297 http://dx.doi.org/10.1007/s10557-011-6312-x
10
W.C. Willett,D.S. Ludwig
Science souring on sugar
BMJ, 346 (2013), pp. e8077
Copyright © 2017. Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Métricas

  • Impact Factor: 1,195(2016)
  • 5-years Impact Factor: 0,728
  • SCImago Journal Rank (SJR):0,29
  • Source Normalized Impact per Paper (SNIP):0,398