Artigo Original
Importância da deformação longitudinal na deteção da cardiotoxicidade induzida por quimioterapia e na identificação de padrões específicos de afetação segmentar
Global and regional patterns of longitudinal strain in screening for chemotherapy‐induced cardiotoxicity
Guilherme Portugala,, , Luísa Moura Brancoa, Ana Galrinhoa, Miguel Mota Carmoa, Ana Teresa Timóteoa, Joana Felicianoa, João Abreua, Sónia Duarte Oliveiraa, Lurdes Batardab, Rui Cruz Ferreiraa
a Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta, Centro Hospitalar Lisboa Central, EPE, Lisboa, Portugal
b Serviço de Oncologia Médica, Hospital de Santo António dos Capuchos, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa, Portugal
Recebido 10 Fevereiro 2016, Aceitaram 22 Junho 2016
Resumo
Introdução e objetivos

A avaliação seriada da fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE) é o padrão de referência na vigilância da cardiotoxicidade induzida por quimioterapia (CIT). A avaliação da deformação longitudinal com técnicas de speckle tracking permite uma avaliação mais detalhada da contractilidade miocárdica. O objetivo deste estudo foi avaliar a relação entre a deformação longitudinal global (GLS) e regional e a incidência de CIT.

Métodos

Foram incluídos 158 pacientes num estudo prospetivo observacional de doentes com neoplasia da mama submetidos a quimioterapia com antraciclinas, com ou sem terapêutica adjuvante com trastuzumab. Foi efetuada uma monitorização ecocardiográfica seriada de parâmetros de função sistólica e diastólica, incluindo a avaliação da deformação miocárdica longitudinal bidimensional. A incidência de CIT foi definida como uma diminuição da FEVE para valor<53%, de acordo com o documento de consenso da Sociedade Europeia de Imagiologia Cardiovascular (EACVI). Os doentes foram classificados como tendo deterioração da contractilidade miocárdica para um valor de GLS menos negativo que ‐18%, de acordo com os critérios da EACVI.

Resultados

Durante um período de seguimento médio de 5,4 meses (1‐48 meses), a incidência de CIT foi de 18,9%. Na população global observou‐se uma deterioração significativa do GLS durante o tratamento com quimioterapia (‐20,1±3,5% versus 18,7±3,4%, p=0,001), com compromisso do GLS detetado durante em algum período do seguimento em 61,4% dos doentes. Esta deterioração foi mais marcada no subgrupo de doentes com CIT (GLS: ‐17,2±2,5%, p=0,02). Na análise regional da deformação longitudinal, verificou‐se compromisso da contractilidade envolvendo preferencialmente os segmentos septais (seis em seis) e parede anterior (dois em três). Por regressão logística multivariada, o compromisso do GLS esteve independentemente associado ao desenvolvimento de CIT (odds ratio 4,88, IC 1,32‐18,0, p=0,017).

Conclusões

O compromisso da deformação longitudinal é frequente em doentes submetidos a quimioterapia e mostrou um padrão de distribuição predominante a nível septal e anterior. A degradação da GLS foi um preditor independente de CIT.

Abstract
Introduction

Serial echocardiographic assessment of left ventricular ejection fraction (LVEF) is the gold standard in screening for chemotherapy‐induced cardiotoxicity (CIC). Measurement of myocardial deformation using speckle tracking enables more detailed assessment of myocardial contractility. The aim of this study was to determine the relationship between global and regional longitudinal strain and CIC.

Methods

This was a prospective study of 158 breast cancer patients undergoing chemotherapy with anthracyclines with or without adjuvant trastuzumab who underwent serial monitoring by transthoracic echocardiography with assessment of myocardial deformation. CIC was defined as a decrease in LVEF to <53%. Global longitudinal strain (GLS) was estimated using EchoPAC BT12 software on a GE Vivid E9 cardiac ultrasound system. Patients were classified according to the 2015 ASE/EACVI criteria as having impaired myocardial deformation when GLS was reduced (less negative), with a cutoff of ‐18%.

Results

During a mean follow‐up of 5.4 months (1‐48 months), the incidence of CIC was 18.9%. A decrease in GLS was observed during follow‐up for the entire cohort (baseline GLS ‐20.1±3.5% vs. ‐18.7±3.4% at last follow‐up assessment, p=0.001). A total of 97 patients (61.4%) were observed to have impaired myocardial deformation (GLS ≥18%) at some point during follow‐up. This decrease was more significant in patients who eventually developed CIC (GLS ‐17.2±2.5%, p=0.02). On analysis of regional strain, impaired contractility was observed in the septal (6 out of 6) and anterior (2 out of 3) segments. Multivariate logistic regression showed that patients who developed impaired longitudinal strain had a 4.9‐fold increased risk of developing CIC (odds ratio 4.88, confidence interval 1.32‐18.0, p=0.017).

Conclusions

Worsening of myocardial deformation as assessed by speckle tracking is common in breast cancer patients undergoing chemotherapy, with predominantly septal and anterior wall involvement. Impaired myocardial deformation was independently associated with increased incidence of CIC.

Palavras‐chave
Deformação longitudinal global, Cardiotoxicidade, Trastuzumab
Keywords
Global longitudinal strain, Cardiotoxicity, Trastuzumab

Métricas

  • Impact Factor: 0,873(2015)
  • SCImago Journal Rank (SJR):0,29
  • Source Normalized Impact per Paper (SNIP):0,398