Original Article
Cardiac rehabilitation in Portugal: Results from the 2013-14 national survey
Reabilitação cardíaca em Portugal. Inquérito 2013-2014
Conceição Silveira, , Ana Abreu
Grupo de Estudo de Fisiopatologia do Esforço e Reabilitação Cardíaca, Sociedade Portuguesa de Cardiologia, Portugal
Received 08 February 2016, Accepted 01 June 2016
Related article:
Abstract
Introduction

In recent years, cardiac rehabilitation (CR) programs have evolved from being limited to exercise training to comprehensive secondary prevention programs. Given the solid scientific evidence supporting them, they are given a class I recommendation in the American and European guidelines for various cardiovascular diseases, but they continue to be underused in Portugal.

Objective

To analyze the situation of CR programs in Portugal in 2013-14 and to assess developments in recent years.

Methods

In November 2014, a questionnaire was sent to the centers offering CR programs that included the following items: name of the center; composition of the team; phases and components; number of participants and diagnoses; and funding bodies. The percentage of patients with myocardial infarction admitted to phase II CR programs in 2013 was calculated based on data from the Directorate-General of Health (DGS).

Results

Twenty-three centers offering CR programs were identified, 12 public and 11 private. The number of centers rose from 16 in 2007 to 23 in 2014. In 2013, 1927 patients participated in phase II programs, nearly three times the number rehabilitated in 2007 (638 patients). Myocardial infarction was the referral diagnosis in 999 patients, accounting for 51.8% of admissions. On the basis of DGS data, 8% of patients with myocardial infarction were admitted to phase II CRPs in 2013, as opposed to 3% in 2007.

Conclusion

The number of patients admitted to CR programs, as well as the number of centers, increased considerably between 2007 and 2014 in Portugal. Despite these favorable developments, further improvements are still needed.

Resumo
Introdução

Nos últimos anos os programas de reabilitação cardíaca (PRC) evoluíram, deixaram de se basear apenas no exercício físico e são atualmente programas abrangentes de prevenção secundária. Dada a evidência científica sólida que os suporta, mereceram recomendação classe I para várias patologias cardiovasculares, nas recomendações americanas e europeias. Continuam, no entanto, a ser subutilizados em Portugal.

Objetivos

Conhecer os PRC nacionais em 2013-14 e analisar a sua evolução.

Material e métodos

Em novembro de 2014 foi enviado aos centros um questionário com os seguintes itens: identificação do centro; constituição da equipa; fases e componentes; número de participantes, respetivas patologias e entidades pagadoras. Considerando os dados da Direção Geral de Saúde (DGS), calculou-se a percentagem de doentes com alta após enfarte admitidos em PRC, fase 2, em 2013.

Resultados

Identificaram-se 23 centros com PRC, 12 públicos e 11 privados. O número de centros evoluiu de 16 em 2007 para 23 em 2014. Em 2013 participaram em PRC, fase 2, 1927 doentes, o triplo dos 638 reabilitados em 2007. O enfarte foi o diagnóstico de admissão de 999 doentes, representando 51,8% das admissões. Considerando os dados da DGS, constata-se que 8% dos doentes com alta após enfarte frequentaram PRC, fase 2, em 2013. Em 2007 esse valor era de 3%.

Conclusão

O volume de doentes em PRC e o número de centros aumentou consideravelmente em Portugal entre 2007-2014. Apesar da evolução favorável é necessário continuar a desenvolver estratégias de divulgação e implementação de PRC no nosso país.

Keywords
Cardiac rehabilitation, Secondary prevention, National survey
Palavras-chave
Reabilitação cardíaca, Prevenção secundária, Inquérito nacional

Metrics

  • Impact Factor: 0.454(2014)
  • SCImago Journal Rank (SJR):0,24
  • Source Normalized Impact per Paper (SNIP):0,398