Artigo Original
Reparação endovascular na rutura aorto‐ilíaca
Endovascular aneurysm repair in aortic and iliac rupture
Anita Quintas,, , Hugo Valentim, João Albuquerque e Castro, Frederico Bastos Gonçalves, Rodolfo Abreu, Hugo Rodrigues, Nelson Oliveira, Gonçalo Rodrigues, Rita Ferreira, Nelson Camacho, Maria Emília Ferreira, Luís Mota Capitão
Serviço de Angiologia e Cirurgia Vascular, Hospital de Santa Marta, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Lisboa, Portugal
Received 15 June 2015, Accepted 27 April 2016
Resumo
Introdução

A presença de rutura é um facto que condiciona negativamente o prognóstico imediato da doença aorto‐ilíaca. Com lugar estabelecido no tratamento eletivo dos aneurismas da aorta, a reparação endovascular do aneurisma (EVAR) tem vindo a ser utilizada nas situações de urgência, sendo capaz de reduzir a elevada mortalidade perioperatória associada à rutura aórtica.

Objetivos

Análise retrospetiva de uma série consecutiva de doentes submetidos a EVAR em contexto de urgência, com rutura aórtica ou ilíaca (rEVAR), num período consecutivo de 6 anos.

Métodos

Todos os doentes tratados por EVAR em contexto de urgência, no período compreendido entre março de 2008 e março de 2014, foram identificados com recurso a uma base de dados prospetivamente construída. Rutura foi definida com identificação em angioTC de hematoma retroperitoneal ou extravasamento de contraste. Apesar de não existir capacidade institucional para oferecer EVAR universalmente, é dada preferência ao EVAR sobre cirurgia aberta em doentes anatomicamente favoráveis.

Procedeu‐se à revisão dos casos clínicos, incluindo dados demográficos dos doentes, características clínicas de base, avaliação hemodinâmica e laboratorial no perioperatório, detalhes intraoperatórios e outcome clínico. O endpoint primário aferido foi a mortalidade perioperatória/precoce (30 dias/intra‐hospitalar) e, o secundário, as complicações perioperatórias major.

Resultados

Foram tratados 49 doentes por rEVAR, dos quais 43 (88%) homens e com uma idade média de 73,7±10,6 anos (47‐90 anos).

O EVAR realizou‐se maioritariamente por patologia aneurismática degenerativa, 35 dos quais da aorta abdominal (72%) e 9 aneurismas ilíacos (18%; n=4 ilíaca comum; n=5 ilíaca interna). O diâmetro médio do aneurisma era de 7,6±1,7cm. As restantes indicações foram: rutura aórtica espontânea/iatrogénica em 3 casos (6%), rutura pós‐EVAR num caso e pseudoaneurisma anastomótico de interposição aorto‐aórtica prévia num caso. Foram implantadas 26 endopróteses aorto‐bi‐ilíacas (53%), 18 aorto‐mono‐ilíacas e crossover (37%), e 5 embolização e exclusão endovascular com ramo ilíaco (10%). O uso de balão intra‐aórtico verificou‐se apenas em 2 casos. Como procedimentos adjuvantes não planeados, foi realizado um stenting ilíaco e uma extensão proximal com cuff por endoleak tipo IA. O modelo de endoprótese utilizado teve a seguinte distribuição: Endurant Medtronic® em 59%, Excluder Gore® em 12%, Zenith Cook® em 22%, Excluder C3 Gore® em 5% e Talent Medtronic® em 2%. Trinta e dois por cento dos procedimentos foram realizados sob anestesia local. A taxa de mortalidade aos 30 dias/intra‐hospitalar foi de 26,5%, apresentando uma tendência decrescente ao longo dos anos, e verificou‐se uma taxa de complicações aos 30 dias: locais em 20,4% dos doentes e sistémicas em 53%. A presença de síndrome compartimental abdominal verificou‐se em 20,4% dos doentes e constituiu um fator de mau prognóstico. A mediana de tempo de internamento foi de 7 dias (0‐92) e de 2 dias (0‐65) em unidade de cuidados intensivos.

Conclusão

O EVAR é uma abordagem terapêutica válida e eficaz para o tratamento da patologia aorto‐ilíaca com evidência de rutura. Os resultados apresentados estão em conformidade com os de outros estudos randomizados.

Abstract
Introduction

Rupture has a negative impact on abdominal aortic or iliac pathology. Endovascular aneurysm repair (EVAR) is an established treatment in the elective setting which has increasingly been applied in urgent patients and may be associated with a decrease in perioperative mortality.

Objectives

Our primary outcome was perioperative/early mortality. Secondary outcomes include perioperative hemodynamics and procedure‐related complications.

Methods

A prospectively maintained single center database was retrospectively enquired. Patients who underwent rEVAR between March 2008 and March 2014 were included. Rupture was defined as the presence of a retroperitoneal hematoma or extraversion of contrast on a CTA. Although there's no institutional capacity to offer EVAR to all ruptured aneurysms, it is given preference to endovascular repair over open surgery in patients with suitable aortic anatomy for EVAR.

Demographic, perioperative hemodynamics and laboratorial data were assessed. Primary outcome was perioperative/early mortality. Secondary outcomes include procedure‐related and systemic complications.

Results

Forty‐nine patients were included, 43 of whom (88%) were males and mean age was 73.7±10,61 years (range 47 to 90).

Thirty‐five patients presented rAAA (72%) and 9 ruptured iliac aneurysms (18%). Mean aneurysm diameter was 7.6±1.7cm. Other indications for rEVAR were spontaneous/iatrogenic aortic rupture (6%; n=3), late aneurysm rupture following EVAR (n=1) and a case of an anastomotic pseudoaneurysm. Deployed endograft configuration was aortic bi‐iliac in 26 cases (53%), aortic mono‐iliac in 18 (37%) and embolization and endovascular exclusion with iliac branch (10%). Deployed devices were Endurant Medtronic® in 59%, Excluder Gore® in 12%, Zenith Cook® in 22%, Excluder C3 Gore® in 5%, e Talent Medtronic® in 2%. 32% were treated under local anesthesia. The 30 dias/intrahospitalar mortality rate was 26.5%, which progressively decreased during the study period. The 30‐day complication rate was local in 20.4%, systemic in 53%. Abdominal compartment syndrome occurred in 10 cases (20.4%), and was found to be a negative prognostic factor. Median hospitalization duration was 7 days (0‐92) and median stay in the intensive care unit was 2 days (0‐65).

Conclusion

EVAR is a valid treatment in the urgent setting for patients with abdominal aortic or iliac rupture. Our results are comparable to the randomized controlled studies

Palavras‐chave
Reparação endovascular do aneurisma, Aneurisma aorta abdominal, Rutura, Endoprótese, Mortalidade perioperatória, Mortalidade aos 30 dias
Keywords
Endovascular aneurysm repair, Abdominal aortic aneurysm, Rupture, Endograft, Perioperative mortality, 30‐day mortality

Open Access

Creative Commons License
Angiologia e Cirurgia Vascular is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

+ info